Plano CV cota 8,25827 | Plano PAI I cota 1,498042 | INPC 0,30% | Poupança 0,37% Dados Setembro
INFRAPREV

INFRAPREV Sustentável: utilização do transporte alternativo

26/12/2014

A dica da semana da campanha INFRAPREV Sustentável é sobre a utilização do transporte alternativo. Eles representam novos caminhos para as grandes cidades. Mas, se a bicicleta não é adequada à distância entre sua casa e o trabalho, metrô, barcas e trens podem ser uma melhor opção. Veja a dica completa também no Facebook.

 

USE O TRANSPORTE ALTERNATIVO

Transportes alternativos representam novos caminhos para as grandes cidades. A mudança de perfil vem ocorrendo gradualmente, conforme a necessidade por mais qualidade de vida é percebida pela sociedade.

As análises quanto à importância de investir em ciclovias se concentram no volume de acidentes envolvendo ciclistas, quando na verdade, pedalar deveria ser uma mudança de paradigma e não um novo problema. Além disso, o foco das críticas aos veículos automotores (movidos a energia não renovável) em favor das bicicletas é a emissão de gases poluentes, além dos transtornos sonoros e no trânsito.

Considerando que o Brasil é o quinto país no ranking mundial da obesidade, o ato de pedalar pode ser uma excelente opção de exercício: além de não exigir grande condicionamento inicial, ele combate o estresse e previne o colesterol alto, a hipertensão e até mesmo cardiopatias (como o enfarte). Especialistas afirmam que os benefícios começam a ser observados a partir de uma rotina diária que dure entre 30 e 60 minutos. De toda forma, a prática de exercícios físicos deve ser autorizada previamente por um médico.

Metrô, barcas e trens também são uma boa alternativa em substituição ao transporte rodoviário. Além da menor poluição do ar e sonora, são transportes coletivos que evitam a motorização individual e contribuem para reduzir o trânsito.

Por isso, se a bicicleta não é adequada à distância entre sua casa e o trabalho, metrô, barcas e trens podem ser uma melhor opção.

Use o transporte alternativo e polua menos!

(Fontes: Tese de doutorado de Paulo Brilhante de Sousa, da USP;  extra.globo.com/noticias; g1.globo.com/jornal-nacional)