Plano CV cota 8,0276615 | Plano PAI I cota 1,4666955 | INPC 0,23% | Poupança 0,40% Dados Janeiro
INFRAPREV

Patrimônio cresce 7,30% e rentabilidade supera meta

08/06/2009

Apesar da crise econômica desencadeada em setembro de 2008, o balanço dos investimentos do INFRAPREV até abril deste ano foi bastante positivo, superando as expectativas. No primeiro quadrimestre, o patrimônio cresceu 7,30% e a rentabilidade foi de 6,23%, superior à meta atuarial (INPC+6% ao ano) que chegou a 3,44%.

 

O primeiro quadrimestre foi puxado pela renda variável, cuja rentabilidade foi de 20,82%. Apesar do Instituto ter reduzido a alocação nesse segmento, que se deu em função da desvalorização da bolsa, foi beneficiado pelo resultado positivo. A renda fixa, com rentabilidade de 1,73%, não foi o melhor rendimento no período. Mas depois da crise foi o segmento que garantiu um equilíbrio ao patrimônio e teve ganhos em função de uma renda variável em período decrescente.

 

Estratégia - Para obter resultados significativos, em um momento que ainda se sente as repercussões da crise de 2008, o diretor-Superintendente, Carlos Frederico Aires Duque, informa que na renda fixa o Instituto decidiu aumentar a participação em títulos públicos federais, de privilegiar na renda variável o giro da carteira dos papéis de maior liquidez, além de priorizar empresas que pagam bons dividendos.

 

partir de outubro de 2008, o INFRAPREV começou a se desfazer de papéis de renda variável para alocar recursos em títulos públicos com o objetivo de dar uma maior segurança ao patrimônio da instituição, a partir da instalação da crise econômica. De setembro/2008 a abril/2009 o investimento em renda fixa evoluiu 20,49%, sendo que a categoria título público federal aumentou em 13,07%.

 

Com a alocação maior na renda fixa houve diminuição do risco de exposição da carteira e garantia de equilíbrio a longo prazo com rentabilidade superior à meta atuarial (meta que garante os compromissos atuais e futuros). Para o INFRAPREV a estratégia foi vitoriosa.

 

O segundo melhor desempenho no quadrimestre foi da carteira de empréstimo que alcançou 9%, seguida de imóveis, 3,03%.